top of page
  • Foto do escritorCláudia Rolim

"The Money Shot" traz humor ácido para o palco do Teatro Vivo

A toxidade da indústria de entretenimento norte-americana é discutida na comédia perversa The Money Shot, do autor estadunidense Neil LaBute. O espetáculo ganha uma versão brasileira dirigida por Eric Lenate que estreia hoje, dia 24 de Outubro, no Teatro Vivo onde segue em cartaz até 6 de Dezembro. As apresentações acontecem às terças e quartas-feiras, às 20h.

O elenco é formado por Lavínia Pannunzio, Fabiana Gugli, Jocasta Germano e Fernando Billi. A peça ainda tem tradução de Jorge Minicelli, direção assistente de Vitor Julian, figurinos de João Pimenta, desenho de luz de Aline Santini, trilha sonora original de L. P. Daniel e produção de Luque Daltrozo.


The Money Shot explora o humor ácido para criar uma reflexão sobre ambição, arte, status, sexo na indústria do entretenimento norte-americana. A peça narra o drama de Karen e Steve, estrelas do cinema que não conseguem mais emplacar um grande sucesso nas telonas. Desesperados para parar de despencar na cadeia alimentar de Hollywood, eles apostam todas as suas cartas em um famoso diretor europeu que pode mudar tudo com seu próximo filme.

“O texto tem personagens extremamente privilegiadas. Elas têm o mundo aberto à sua frente, mas são incapazes de enxergar as questões que são próprias da realidade de pessoas que não fazem parte de seu território de privilégio. Estão sempre tentando se proteger e autopromover. E estão inseridas em um processo de retroalimentação das neuroses da branquitude, que tem medo de perder seus lugares de privilégio”, comenta o diretor Eric Lenate.

A história tem como ambiente a luxuosa mansão de Karen e sua companheira Bev, que trabalha na área de pós-produção da indústria cinematográfica. Elas recebem para um jantar Steve e Missy, a jovem esposa dele que aspira à carreira de atriz. “É um encontro requintado, regado a muita bebida alcoólica, que faz com que a situação entre essas figuras vá se desenrolando de uma maneira cada vez mais feia. Queremos criar um contraste entre o refinamento e a feiura dessas personagens”, acrescenta o encenador.


Para representar esse ambiente, Lenate, que também assina a arquitetura cênica da peça, revela que optou por reproduzir a sala dessa casa. “Estamos pensando em um espaço que tenha bastante luxo e opulência, mas que também tenha certa cafonice”, revela.

Já a encenação é bastante pontuada pelo jogo entre as três atrizes e o ator. “É um trabalho bastante calcado na verborragia do texto. São quatro personagens em cena que falam o tempo todo, tentando discutir um assunto que sempre se perde. Eles começam a fazer o desfile de egos deles e a situação fica cada vez mais esquisita, até chegar em um desenlace que vai fazer com que as pessoas fiquem bastante atônitas”, garante o diretor.


Sobre Neil LaBute

Neil LaBute recebeu seu diploma de Mestre em Belas Artes em redação dramática pela New York University. Recebeu uma bolsa literária para estudar no Royal Court Theatre, em Londres, e também frequentou o Playwrights Lab do Sundance Institute.

Entre seus filmes, estão “In the Company of Men” (Prêmio do Círculo de Críticos de Nova York de Melhor Primeira Longa-Metragem e Troféu dos Cineastas no Festival de Cinema de Sundance), “Seus Amigos e Vizinhos”, “Enfermeira Betty”, “Possessão”, “The Shape of Things” (uma adaptação cinematográfica de sua peça com o mesmo título), “The Wicker Man”, “Lakeview Terrace” e “Death at a Funeral”.

E entre as peças destacam-se “Bash: Latter-Day Plays”, “The Shape of Things”, “The Mercy Seat”, “The Distance From Here”, “Autobahn (Uma coleção de cinco de suas peças de um ato)”, “Fat Pig”, “Algumas Garotas”, “Isso é Assim Que Vai”, “Em Uma Casa Escura” e “Razões Para Ser Bonita”, que foi indicado ao prêmio Tony de melhor peça.

LaBute também é autor de várias peças de ficção que foram publicadas no “The New York Times”, “The New York Times Magazine”, “Harper's Bazaar” e “Playboy”, entre outros. “Seconds of Pleasure”, uma coleção de seus contos, foi publicada pela Grove Atlantic.


FICHA TÉCNICA

Autor: Neil LaBute

Direção: Eric Lenate

Tradução: Jorge Minicelli

Elenco: Lavínia Pannunzio, Fabiana Gugli, Jocasta Germano e Fernando Billi

Direção Assistente: Vitor Julian

Arquitetura cênica: Eric Lenate

Desenho de luz: Aline Santini

Figurinista: João Pimenta

Trilha sonora original e desenho de som: L. P. Daniel

Cabelos: Marcos Ribeiro

Designer Gráfico: Laerte Késsimos

Fotos: Leekyung Kim

Assessoria de imprensa: Pombo Correio

Produtora executiva: Camila Bevilacqua

Diretor de produção: Luís Henrique Luque Daltrozo

Realização: Daltrozo Produções


SERVIÇO

The Money Shot, de Neil LaBute

Temporada: 24 de outubro a 6 de dezembro de 2023

Às terças e quartas-feiras, às 20h

Teatro Vivo - Av. Chucri Zaidan, 2460 - Morumbi - São Paulo, Brasil - 04583-110

Ingressos: R$100 (inteira) e R$50 (meia-entrada)

Bilheteria: (11) 3430-1524. Abre duas horas antes do espetáculo.

Estacionamento no local

Entrada pela Av. Roque Petroni Jr, 1464

Duração: 90 minutos

Classificação indicativa: 18 anos

Capacidade: 274 lugares

Acessibilidade: Teatro acessível a cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida.

Comentarios


bottom of page