top of page
  • Foto do escritorCláudia Rolim

Cemitério de Automóveis apresenta "Gagarin Way"

Atualizado: 8 de set. de 2023

Inédita no Brasil, a peça “Gagarin Way”, do dramaturgo escocês Gregogy Burke, ganha uma montagem do grupo Cemitério de Automóveis, com direção de Mário Bortolotto. O espetáculo mistura discussão política com comédia de humor ácido.


O que você faria se estivesse no limite e sem esperanças de melhorar de vida? Essa e outras questões relacionadas à falência de sistemas econômicos e filosóficos são abordadas nesta montagem de ‘Gagarin Way’ que fica em cartaz até dia 18 de dezembro e, em janeiro de 2023, após o recesso de natal voltará em cartaz em dois teatros: Na sede do grupo (Rua Francisca Miquelina, 155, Bela Vista) e no Teatro Arthur Azevedo (Av. Paes de Barros, 955, Alto da Mooca) com sessões gratuitas.


A história é ambientada em um local que foi conhecido como “Pequena Moscou” no passado, por conta do seu radicalismo político. No entanto, após a queda do Muro de Berlim e do desaparecimento das minas de carvão, a área passou a ser dominada pelo capitalismo e a enfrentar uma grave crise que se prolonga até hoje. “Foram o ritmo dos diálogos e o tema da falta de perspectivas de pessoas do meio operário que me fizeram querer montar esse texto”, conta Bortolotto, que também está em cena.


Ainda estão no elenco Carcarah, Daniel Sato e Nelson Peres. A iluminação é de Caetano Vilela, a cenografia e cenotécnica são de Mariko Ogawa e Seiji Ogawa. Já o figurino é assinado por Vanessa Deborah e as ilustrações são de Fábio Moon.


Conheça a história

Na trama, Gary é um operário cansado e deprimido. Pai de três filhos, afundado em um casamento fracassado e com ideais socialistas, ele quer mandar uma mensagem para o sistema. Por isso, decide sequestrar Frank, um membro da alta administração, com a ajuda de seu amigo Eddie, um niilista violento, cujo único interesse é causar encrenca.


A dupla leva o industrial para a fábrica de computadores onde trabalha o segurança Tom, um jovem ingênuo recém-formado em Política que acredita ser possível juntar capitalismo com socialismo.


Outra importante discussão suscitada pelo espetáculo é se todo ato político é justificado ou se existe uma linha que não deve ser ultrapassada. E toda a narrativa é permeada por humor ácido, característica bastante presente nas montagens do grupo Cemitério de Automóveis.


“O texto de Gregory Burke não tem nenhuma condescendência com seus personagens e expõe uma visão crua de homens desesperançados e amargos que não encontram motivos para ter qualquer vislumbre de futuro. A exceção talvez seja o Garoto Tom, mas suas esperanças acabam implacavelmente esmagadas pelos sequestradores e até mesmo pelo sequestrado, que se mostra ainda mais desiludido e desesperançado do que os seus algozes”, detalha Bortolotto.


Mesmo com as distâncias geográfica e cultural, é possível traçar paralelos entre o contexto de “Gagarin Way”, escrito em 2001, e o Brasil de hoje. “A peça é escocesa, mas discute questões universais. Nosso país está dividido, como foi possível constatar na última eleição, em que resvalamos na possibilidade de cair em um sistema de autocracia muito perigoso, depois de 21 anos de ditadura militar e de lutas muito ferrenhas para que consigamos manter a nação com as liberdades democráticas conquistadas”, acrescenta.


A estreia de “Gagarin Way” integra o projeto “Submersivos - Um mergulho nos 40 anos do Grupo Cemitério de Automóveis”, que foi contemplado na 37ª Edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, 01/2021/SMC/CFOC/SFA.


Sobre GREGORY BURKE

Gregory Burke nasceu em 1968 e, até ser aclamado como um grande dramaturgo, alternava-se entre vários empregos de meio período para poder ter tempo de escrever. “Gagarin Way” foi sua primeira peça – e logo se tornou um grande sucesso.

A primeira montagem estreou em 2001, em Edimburgo e teve uma excelente repercussão. O trabalho ganhou prêmios no Scotsman Fringe First of the Firsts, em 2001, e, em 2002, no Meyer/Whitworth e no Critics' Circle Award.

Depois, o autor publicou as peças “Black Watch”, que também foi aclamada pela crítica, “Occy Eyes”, “The Straits”, “Unsecured”, “On Tour”, “Liar”, “Shell Shocked” e “Hoors”.


Sobre MÁRIO BORTOLOTTO

Ator, diretor, autor, sonoplasta, iluminador e vocalista e compositor de rock, Mário Bortolotto escreve para o teatro desde 1981. Nascido em Londrina, no Paraná, tem 13 livros publicados: os romances “Bagana na Chuva” e “Mamãe não voltou do supermercado”; as coletâneas de poesias “Para os inocentes que ficaram em casa”, “Um bom lugar para morrer” e O Pior Lugar que eu conheço é minha cabeça” ; o compilado de matérias escritas para jornais “Gutemberg Blues”; a reunião de textos de seu blog “Atire no Dramaturgo”; os livros de crônicas “Os Anos do Furação” e “Esse Tal de Amor e Outros Sentimentos Cruéis”, a série de contos “DJ – Canções para tocar no inferno”, além de cinco volumes com seus textos de teatro.

Entre os vários reconhecimentos que recebeu por seu trabalho no teatro, estão o Prêmio Shell de melhor autor, em 2000, pelo texto “Nossa vida não vale um Chevrolet”, e o Prêmio APCA, em 2000, pelo conjunto de sua obra.

Os últimos espetáculos dirigidos por ele ao lado do grupo Cemitério de Automóveis foram o autoral inédito “Pequod - só os bons morrem jovens” (2020); e o western “O Homem que Matou Liberty Valance" (2021), de Jethro Compton, que estreou em formato audiovisual.

FICHA TÉCNICA:

Texto: Gregory Burke

Direção e trilha sonora: Mário Bortolotto Elenco: Carcarah (Eddie), Daniel Sato (Tom), Mário Bortolotto (Gary) e Nelson Peres (Frank)

Iluminação: Caetano Vilela

Cenografia e cenotécnica: Mariko Ogawa e Seiji Ogawa

Figurino: Vanessa Deborah

Fotografia: Ronaldo Franco

Ilustração: Fábio Moon Produção: Isabela Bortolotto e Paula Klaus

Assistência de direção: Isabela Bortolotto Tradução: Raphael Fucciolo Assessoria de Imprensa: Agência Fática - Verô Domingues e Bruno Motta Mello


SERVIÇO:

Gagarin Way, texto de Gregory Burke, com direção de Mário Bortolotto


Teatro Cemitério de Automóveis

End: Rua Francisca Miquelina, 155, Bela Vista, SP, Brasil


Temporadas:

* 8 a 18 de dezembro de 2022, de quinta a sábado, às 21h, e aos domingos, às 20h

* 05 a 15 de janeiro de 2023, de quinta a sábado, às 21h, e aos domingos, às 20h


Ingressos: R$40 (inteira) e R$20 (meia-entrada)

Venda direto na bilheteria do teatro sempre 1 hora antes do espetáculo

Venda online


Classificação: 16 anos

Duração: 90 minutos

Capacidade: 50 lugares

Acessibilidade: o espaço possui acessibilidade para cadeirantes

Teatro Arthur Azevedo

End: Av. Paes de Barros, 955, Alto da Mooca, SP, Brasil


Temporada: 19 a 22 de janeiro de 2023, de quinta à sábado, às 20h, e, no domingo, às 18h

Ingressos: Gratuitos

Retirada do ingresso 1 hora antes do espetáculo na bilheteria do teatro Sala Multiuso

Acessibilidade: o espaço possui acessibilidade para cadeirantes



Comentários


bottom of page